Com participação de Xi Jinping, comemoração marca o centenário do partido que governa a China há 70 anos em um momento de tensões políticas renovadas com o Ocidente. Evento de 100 anos de fundação do Partido Comunista da China reúne milhares de participantes em Pequim nesta quinta (1º))
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Um evento na Praça Tiananmen, em Pequim, reuniu milhares de pessoas na manhã desta quinta-feira (1°) (noite de quarta em Brasília) para comemorar os 100 anos do Partido Comunista da China — que comanda o país asiático desde 1949.
O misto de parada militar com séries de apresentações musicais ocorreu de frente à foto de Mao Tsé-Tung na Praça Tiananmen, também conhecida como Praça da Paz Celestial. É o mesmo local onde, há 32 anos, o governo chinês reprimiu violentamente uma manifestação de estudantes.
Banda militar se apresenta em frente a retrato de Mao Tsé-Tung em Pequim, na China, durante celebração dos 100 anos do Partido Comunista Chinês nesta quinta (1º)
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Helicópteros formam o número 100 sobre a Praça Tiananmen, em Pequim, na celebração do centenário do Partido Comunista da China nesta quinta-feira (1º)
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
A expectativa é que o presidente Xi Jinping discurse, em uma fala sobre as perspectivas futuras para o governo chinês.
O evento ocorre em um momento de renovação das hostilidades políticas entre Pequim e Washington, principalmente com as disputas sobre Taiwan e um recente relatório dos EUA que apontou a possibilidade de a pandemia do coronavírus ter começado por um acidente em um laboratório na cidade chinesa de Wuhan.
Participantes balançam bandeiras da China e do Partido Comunista durante evento na Praça Tiananmen, em Pequim, para relembrar os 100 anos do partido nesta quinta (1º)
Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Ainda com a pandemia em andamento, alguns dos participantes usavam máscaras. Números oficiais mostram a Covid-19 sob controle na China, país que aplicou mais de 1 bilhão de doses de vacinas. A média móvel de novos casos de coronavírus entre os chineses flutua na baixíssima casa dos 25 diagnósticos por dia.

Fonte: G1 Mundo


Compartilhar:

Deixe seus Comentario